HONORATO, João. 1690-1768.

Sobre o autor

O jesuíta João Honorato nasceu na Bahia, em 1690, e morreu exilado na cidade de Roma, em 1768. Entrou para a Companhia em 1704, com quatorze anos apenas. Foi lente de humanidades, filosofia e teologia em vários colégios da Companhia, vice-reitor do colégio de Olinda, reitor do noviciado da Jequibaia e do colégio de São Paulo, examinador sinodal e provincial da ordem no Brasil; função que exercia quando foi preso e enviado para Lisboa, onde amargou 7 anos de cárcere antes de exilar-se na Itália.

Obra(s)

Oraçam Funebre nas exequias do illustrissimo, e reverendíssimo D. Luiz Alvares de Figueiredo Arcebispo Metropolitano da Bahya celebradas na Cathedral da mesma Cidade ao primeiro de Outubro de 1735. Assistindo o excellentissimo Conde das Galveas Vice-Rey deste Estado como o Senado, e Nobreza de toda a Cidade, em que orou O R. P. M. Joam Honorato da Companhia de Jesus da Provincia do Brazil, Prefeito dos Geraes do Collegio da Bahua, e Theologo do Illustrissimo cabido Sede Vacante. Lisboa Occidental: Na Officina de Antonio Isidoro da Fonseca Impressor do Duque Estribeiro Mòr. M. D. CC. XXXVII.

Menções ao negro e ao escravo

É que fez este ilustríssimo esmoler, assim que se viu neste arcebispado feito pastor de tantas e tão pobres almas? Digam as mais necessitadas, que são as dos escravos, e falem por elas os confessionários sem perigo do sigilo nesta matéria. (p. 9)
Saia já pela porta desta igreja o bom prelado para embarcar-se, e passar a outra freguesia, quando a poucos passos se lhe põem diante um menino, que no aspecto mostrava até de saúde ser pobre, pedindo-lhe que se não fosse sem o crismar: pôs nele os olhos o compassivo prelado, e sem atender mais para a grave comitiva que o acompanhava, e para a boa ocasião de seguir viagem, mandou logo reconduzir o pontificial, que já estava embarcado, e voltando para a igreja, lhe conferiu o sacramento da confirmação, sucedendo-lhe o mesmo com dois pretos escravos na freguesia do Rio das Contas. (p. 12)

Páginas

9, 12.