DEUS, Gaspar da Madre de. 1715-1800.

Sobre o autor

Frei Gaspar da Madre de Deus ou Gaspar Teixeira de Azevedo nasceu no seio de uma família abastada, na fazenda Santana, próximo à vila de São Vicente, em 1715, e morreu no mosteiro de São Bento, na mesma cidade, em 1800. Estudou no colégio dos jesuítas de Santos e, em 1731, entrou para a Ordem Beneditina, no convento da Bahia. Foi lente do mesmo convento, abade do mosteiro do Rio de Janeiro, abade provincial do Brasil e cronista-mor de sua congregação.

Obra(s)

Memorias para a Historia da Capitania de S. Vicente, hoje chamada de S. Paulo, do Estado do Brazil Publicadas de Ordem da Academia R. das Sciencias por Fr. Gaspar da Madre de Deos, Monge Benedictino, e Correspondente da mesma Academia. Lisboa: Na Typografia da academia, 1797.

Menções ao negro e ao escravo

De tudo fizeram cientes os camaristas ao governador geral, e ao conde de Monsanto, a quem escreveram a seguinte carta memorável pelas verdades que noticiaram ao dito conde: “Por janeiro em companhia das que escreveu Manoel Rodrigues de Morais, avisamos desta câmara da vila de S. Vicente, como cabeça desta capitania, dando-lhe a V. S. os parabéns da sucessão, e o mesmo tornamos de novo a fazer por esta, já que pessoalmente o não podemos fazer com as pessoas. Juntamente mandamos a V. S. o auto da posse trasladado, e o foral e aviso sobre o regimento de ouvidor, advertindo de mais a V. S. o bem que será alcançar de ElRei uma provisão para os negros, que se Angola vierem a esta capitania, se pagarem os direitos deles em açúcares e fazendas da terra, como passou a vila do Espírito Santo; porque vá em mais aumento a terra, e acudam a ela escravos pela muita mortandade que houve de gentio; pois se impede o imos buscar ao sertão, e não havendo gentio, totalmente se acabará de perder a terra. [...]”(p. 197)

Páginas

197